fbpx

A Importância da Prevenção da Saúde Mental na GESTAÇÃO

Cuidar da saúde mental e emocional na gestação como forma de prevenção, e de evitar um adoecimento mental no pós-parto e no puerpério é muito importante. Isso em razão de tentarmos identificar a propensão a doenças dessa natureza precocemente. 

No entanto, às vezes, essa identificação não é possível. Nesses casos, se você detectar precocemente que há algo que está saindo da normalidade, é muito importante procurar ajuda, antes  que esse sofrimento e angústia se perpetuem. 

Por isso a relevância de desde a gestação avaliar como anda o meu mental e o meu emocional.

De um modo geral, a gestação é cercada por momentos difíceis quando a gente pensa na fisiologia, nas mudanças corporais. Os primeiros bimestres são longos e muitas vezes de enjoo e indisposição, cansaço. Daí, em seguida, após os 3 primeiros meses vem uma energia muito grande! É o momento que a gente começa a fazer enxoval, chá de bebê, correr atrás das coisas, tentar organizar a vida para receber essa criança. E, depois, vem os 3 últimos meses quando a gente volta novamente para algumas indisposições, a barriga já está muito grande e o cansaço nem se fala!

É nesse momento  que a gente dá uma acalmada. Mas não podemos esperar esse momento calmo para avaliar nosso estado de emoções. 

É importante a gente perceber isso ao longo desses 9 meses, afinal a nossa saúde emocional vai interferir no nosso estado para receber esse bebê, nas dúvidas que a gente tem,  nos medos que povoam a nossa cabeça, no nosso imaginário, nas nossas expectativas…. sem falar que é isso também que colocará os filtros necessários nas vivências das pessoas que estão ao nosso redor, no que estão falando para a gente sobre o nascimento e o parto e sobre o pós-parto, em especial, o puerpério. 

Às vezes a gente foca muito nossa gestação no evento do parto que também é muito importante e que a gente realmente precisa se informar. Porém,  a gente esquece que o parto é um evento, o pós-parto e o puerpério não, eles tendem a se prolongar. O pós-parto dura de 30 ou 40 dias, mas o puerpério vai até aproximadamente 2 anos de vida da criança. 

E uma coisa que eu observo nas gestantes e nas mães em pós-parto, que por vezes passa despercebido, são os fatores de riscos. 

O que é isso Bianca? Você deve estar pensando….

São características que nos dão sinais de alerta. Existem alguns fatores de riscos que já nos dá um olhar diferenciado no termo emocional e psicológico para uma gestante, que nos indica que a gente precisa de um olhar ainda mais cuidadoso para a saúde mental e emocional devido a determinados comportamentos, histórico familiar, entre outros.

Esse fatores são usados por nós, psis, para prevenir adoecimentos no pós-parto ou detectar estes precocemente. Então, por exemplo, familiares que tiveram ou que têm, sofrem por alguma doença psíquica, como depressões, transtornos de compulsão, bipolaridade, psicoses, esquizofrenia. Quem tem familiares diretos com esse tipo de histórico, já precisa ficar muito atenta porque há uma possibilidade grande de sofrer, não necessariamente o mesmo adoecimento psíquico do familiar, mas pode sofrer algum adoecimento psíquico no puerpério. E às vezes até mesmo na gestação. 

Pessoas que não tiveram uma gravidez planejada ou que essa gravidez, além dos incômodos físicos que já falei aqui, está causando outros “transtornos” na sua vida e que isso está dificultando a aceitação dessa gestação, precisam cuidar da sua saúde mental desde a gestação e no pós-parto. 

Pessoas que não estão tendo apoio social, apoio do pai da criança, são pessoas com uma probabilidade de ter algum adoecimento psíquico também. Pessoas que sofreram algum abuso de substâncias tóxicas, e que estão tendo que lidar com a desintoxicação do corpo, ou ainda questões da dependência precisam de um olhar mais próximo. 

Tudo isso engloba os chamados fatores de risco. Ou seja, não é “garantido” e certo que essas gestantes terão problemas de saúde psíquica, mas é muito importante estar alerta a elas, com um olhar profissional e apurado. Assim como também pessoas que não tem nenhum desses históricos, e não estão nesse grupo de risco, também não tem nenhuma garantia de que não terão nenhum adoecimento psíquico.

Por isso, no mundo ideal, a gestante, além de cuidar do seu pré-natal físico, além de cuidar do enxoval, além de cuidar do quartinho e de como você vai receber essa criança, além de estudar sobre parto, precisa fazer o seu pré-natal psicológico. Cuidando assim da sua saúde emocional desde a gestação. 

O pré-natal psicológico é uma metodologia criada e validado  pela Alessandra Arrais que inibe os adoecimentos psíquicos em gestantes e puérperas. Essa é uma modalidade de atendimento que tem o objetivo de educar e também orientar sobre essas questões emocionais do pós-parto, pois comprovadamente quem passa pelo pré-natal psicológico, quem faz psicoterapia na gestação, tem uma baixa chance de desenvolver, principalmente uma depressão pós-parto, que é a doença que mais acontece muito após a gestação.

Se você que está lendo esse artigo for gestante,  não deixe de buscar pelo pré-natal psicológico na sua cidade. A maternidade é carregada de expectativas, e, as vezes, quando a realidade vem, há uma frustração muito grande que muitas pessoas não conseguem lidar bem, em especial no pós-parto, que é um momento em que nossos hormônios também não colaboram. 

Então o emocional, físico, hormonal fica tudo conflitando. Eu costumo fazer a analogia que o puerpério, o pós-parto imediato é como um vulcão. O emocional, o físico e o hormonal ficam se debatendo ali naquele pós-parto imediato. E vai causando fissuras. E chega um momento que uma coisa muito pequenininha, às vezes é um palpite da sogra que não caiu bem, causa uma cratera nesse vulcão e esse vulcão entra em ebulição. E a gente muitas vezes surta, muitas vezes entra em um estresse muito grande, se irrita, enfim. E aí os sintomas aparecem de uma vez só e a gente não consegue muitas vezes voltar, a se compensar sozinha. 

Então é importante que todas as gestantes tenham o olhar especial para a saúde mental, para a saúde emocional a fim de diminuir então esses adoecimentos ou de detectar precocemente.