Pai: aquele que tem papel fundamental!

Ah, a maternidade!
23/03/2015
Psicologia perinatal. Psicologia O QUÊ?
27/08/2015

Pai: aquele que tem papel fundamental!

Pai: aquele que tem papel fundamental!

João e Zé são amigos do trabalho, certo dia eles se cumprimentaram e a conversa seguiu este rumo abaixo:

João – Estou exausto, não dormir a noite inteira!

– Tinha algum trabalho importante para entregar hoje, João?

João – Até tinha, mas o problema foi meu filho Dudu, que passou a noite chorando, estava com febre e eu fiquei com ele, enquanto minha esposa descansava. 

– Mas, você tinha que trabalhar hoje e a sua esposa não…

Que resposta você imagina que João deu a Zé?

Pois é, estamos na semana do dia dos pais! A data é puramente comercial, diga-se de passagem, mas assim como o dia das mães, é sempre cercada de reflexões e atenções mais profundas ao sujeito em questão. A imagem do pai mudou bastante nos últimos séculos, em parte por conta do aumento considerável das responsabilidades maternas, que ocorreram no fim do século XVIII. Desde 1866 tínhamos obras falando da importância dos homens terem relações mais estreitas com seus filhos, um dos exemplos é o autor Gustravo Droz, que insistia na importância do afeto e lamentava a existência de pais que não sabiam brincar ou fazer as rotinas diárias com as crianças.

Pai trocando fralda

E qual seria o motivo de ainda considerarmos o pai como um “ajudante” da mãe na relação paterno-filial, e não como um pai que também tem responsabilidades e deveres para com seus filhos?

Sabemos que no início da vida de um bebê, ele depende exclusivamente de sua mãe: é com ela que ele tem uma íntima relação desde o ventre até chegar ao seio materno e aprender a se alimentar na vida aqui de fora. É o cheiro dela e a sua voz que ele passou 9 meses tendo contato 24h por dia. E é com ela, que após seu nascimento, ele tem toda a descarga de ocitocina (para quem não sabe, denominado de hormônio do amor) que contribui muito para o vínculo mãe-bebê. Mas onde o pai entra nesta história? É possível construir vinculação tão forte nestes primeiros meses de vida? Pai tenha calma, neste primeiro momento você construirá seu vínculo com este bebê através da mãe. Será a apoiando e propiciando a díade mãe-bebê tranquilidade e confiança que você conseguirá adentrar nesta relação que ao passar dos meses se tornará mais direta e fantástica.

Isso quer dizer que só cabe à mãe os cuidados e preocupações com o bebê? 

QUICO

Apoiar e propiciar tranquilidade a díade mãe-bebê também faz parte da função paterna e dá aos homens papel fundamental na construção desta nova família e surgimento de afetos diferenciados. Nesse novo cenário, o pai deixa o papel de ajudante para se tornar também protagonista deste novo arranjo familiar. Se você pai estiver bem informado a respeito de tudo que ronda o universo da maternidade (parto, amamentação, pediatra, vacinas, fraldas…) poderá contribuir passando segurança para a mãe, a qual, muitas vezes, pode estar cansada, nervosa e preocupada devido às grandes mudanças do puerpério. Pais que participam ativamente da gestação e parto comprovam a importância da função paterna, uma vinculação que já se mostra extremamente forte na sala de parto, quando ali mesmo já se percebe que seu filho lhe olha fixamente e reconhece sua voz. E Como estar por dentro disso? Busque, ainda na gestação, participar de grupos de apoio aos pais grávidos; faça um bom curso de cuidados com o bebê (que não necessariamente será o do hospital que o bebê nascerá); pesquise em fontes que tenham embasamento científico; procure outras opiniões médicas quando algo sair da previsibilidade, pois sabemos que há bons e maus profissionais em todas as áreas e também profissionais atualizados ou não; dialogue com outros pais para que eles sejam uma rede de apoio para suas angústias e preocupações; e, se necessário, busque profissionais capacitados para lidar com este momento em que tudo parece sair do controle (consultora de amamentação, psicóloga, doula pós-parto…).
Passado este primeiro momento, o pai adentra cada dia mais na relação mãe-bebê e constrói o espaço que lhe é de direito. Não se prive de oferecer contato físico para seu filho, pois isso também contribui para o fortalPAI QUE LEVA PARA O MUNDOecimento do vínculo: colo, banho, brincadeiras, massagens e passeios com o bebê no sling, são exemplos que você pode praticar. Desta forma, será o pai que mostrará à criança o mundo que existe lá fora, para além de sua mãe.
Aproveito para pedir às mães que permitam a entrada do pai nesta relação, deem espaço e oportunidade para que eles também tenham seus momentos tanto nos cuidados quanto nas brincadeiras, que muitas vezes podem soar como radicais demais aos olhos da mãe. De nada adianta reivindicar dos homens uma “maternagem” conjunta se não os deixarmos que o façam da forma mais paterna que lhes couber.

Um ótimo dia dos pais, com a consciência de que esta data seja um momento de reflexão e não mais um dia de puro consumismo!


Texto publicado originalmente no site da A Mama, em 9 de agosto de 2015 por Bianca Amorim

Bianca Amorim
Bianca Amorim
É, em primeiro lugar, MÃE do Davi (03 anos e 11 meses) e Lucas (2 anos). Profissionalmente, é Psicóloga perinatal e Life Coach certificada pela Sociedade Brasileira de Coaching desde 2012. Idealizadora do projeto Renascendo após a maternidade”, onde direciona seus conhecimentos como Psicóloga, Coach e Mãe para outras mulheres que desejam se redescobrir depois do nascimento dos filhos. Autora do ebook gratuito Renascendo após a maternidade: 3 passos para se redescobrir depois do nascimento dos filhos. Palestrante.

2 Comentários

  1. Barbara Cunha disse:

    Lindo texto. Esta é a visão do pai na atualidade. Parabéns!

    • Bianca Amorim disse:

      Gratidão pelo comentário, Barbara! Que bom que gostou do conteúdo, escrevi com muito carinho para os pais e também para as mães!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *